quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Será que ele volta? Discussão sobre a venda de automóveis movidos a diesel no Brasil ganha força

Desde que a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou parecer favorável à liberação do diesel para automóveis, em agosto deste ano, a discussão sobre o tema tem ganhado força. Hoje, apenas utilitários com tração 4x4 ou veículos pesados podem ser movidos pelo combustível, no país. A proibição existe desde 1976. Na época, a lei foi imposta para reduzir a dependência do petróleo importado, incentivando a produção de veículos movidos a álcool - um ano antes havia sido implantado o programa Pró-Alcool.

Hoje diversos fabricantes nacionais produzem automóveis compactos a diesel para exportação, como Citroën (C3), Fiat (Punto), Peugeot (207) e Volkswagen (Gol). “Esse tipo de motor é mais robusto e confiável, oferece maior capacidade em torque, além de ser largamente empregado em outros países, mas no Brasil esbarra em restrições”, comenta o diretor do 6º Fórum SAE Brasil de Tecnologias de Motores Diesel (também realizado em agosto, em Curitiba), Wilson Loterio. Para ele, é hora de corrigir distorções e eliminar restrições legais, que proíbem a aplicação. “É preciso acreditar no potencial do diesel e seguir a tendência mundial”, diz.

Prós e contras
Entre as principais críticas à volta do diesel, está o fato do combustível nacional ainda ter elevado teor de enxofre, conforme aponta o Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Isso tornaria sua aplicação viável, do ponto de vista ambiental, somente após 2013, quando novas medidas entram em vigor. Também pesam o fato do país dominar a tecnologia bicombustível e de ser um dos maiores produtores de etanol do mundo. Á favor está a dificuldade nas exportações, pois o país deixa de investir mais no desenvolvimento de compactos movidos a diesel. A demanda por esse tipo de automóvel está em franco crescimento na Europa, onde o combustível é a opção mais considerada na emissão de poluentes.

2 comentários:

Paulo César disse...

E não se discute o biodiesel? Liberando o diesel, o estudos para este biocombustível podem encontrar caminhos viáveis para sua aplicação.

Bruno Freitas disse...

Paulo, a idéia é boa, mas daria assunto para outro post específico. Fica registrado.